Mercado imobiliário: a pandemia e o novo perfil de lar

Há mais de dois anos, a pandemia da Covid-19 vem impactando o mundo e promovendo mudanças nas relações humanas, no mercado de trabalho e nos negócios.

No segmento imobiliário, um dos mais fortes da economia brasileira, não foi diferente.

A construção civil não parou e conseguiu manter vendas e lançamentos, apesar da alta no custo e na demora da entrega de alguns materiais de construção.

Para atender às famílias, no entanto, as empresas precisaram se reinventar. Afinal, novos hábitos de consumo surgiram ou foram acelerados por conta da pandemia.

Agora, o lar é também espaço de trabalho, de estudo e de maior convivência entre crianças, adolescentes, adultos, idosos e pets.

Passamos mais tempo dentro de casa, o que fez crescer a procura por mais espaço, maior conforto, lazer e áreas livres.

Levantamento do Secovi-SP & Brain mostrou que 87% dos entrevistados julgam ser indispensável ter uma área de trabalho em casa; e 80% deles desejam sacada no próximo imóvel.

Também sabemos que as famílias com área verde e/ou quintal sofreram e sofrem menos durante a pandemia.

Por isso, a valorização de imóveis com áreas verdes e maior contato com a natureza também cresceu entre os brasileiros.

Outra tendência forte no mercado imobiliário que merece a nossa atenção é o “mundo pet”. Segundo o IBGE 2020, 46% dos lares no país têm ao menos 1 cachorro.

Então é preciso pensar em como inserir os hábitos e as necessidades dos chamados “pais e mães de pets” nos projetos imobiliários.

Na lista de tendências, também vale destacar a busca por imóveis que oferecem lazer, segurança, espaço, boa iluminação e boa ventilação.

Tudo isso mostra que o mercado imobiliário está em movimento e que a construção civil precisa acompanhar os novos hábitos de consumo.

E, de fato, o setor está mais atento. Prova disso é que já existem lançamentos imobiliários na Grande Vitória, mesmo os de padrão econômico, que oferecem plantas com espaço para home office e opção de quintal no térreo ou varanda.

Nas áreas comuns, além do lazer completo, já há empreendimentos com área livre para pets, horta comunitária, pomar e até pista de caminhada e corrida.

Esses são só alguns exemplos do que já é possível encontrar em novos projetos, construídos para atender um novo perfil de lar, que surgiu durante a pandemia.

Na busca por conquistar a preferência do cliente, sai na frente quem está de olho nas novas tendências, sem abrir mão da qualidade e da boa técnica de construção.

Ricardo De Martin, fundador e diretor-geral da De Martin Construtora

De Martin Construtora lança nova marca e inicia reposicionamento de mercado

Você acredita no poder da transformação? Será que transformar abre portas para o novo, para superar desafios e realizar sonhos?

Pois é exatamente a partir do conceito “Transformação abre portas”, que a De Martin Construtora está se reposicionamento no mercado imobiliário capixaba.

Construído ao longo dos últimos anos, este reposicionamento teve o pontapé inicial com o recente lançamento da nova identidade visual da empresa.

“Acreditamos que os negócios e a vida da gente passam por ciclos, por mudanças. Por isso apostamos na transformação para ‘abrir as portas’ da construtora para o novo; aumentando a nossa aproximação com o público e acelerando a realização dos sonhos de nossos clientes, colaboradores, parceiros e da própria empresa”, destaca a diretora comercial e de marketing, Aline De Martin.

Para a assessora de Marketing da De Martin, Luiza Stefanini, a empresa vive um momento especial de renovação.

“A construtora está com fôlego novo para se transformar, para acelerar novidades, melhorar processos e trazer soluções ainda mais conectadas com os novos hábitos de consumo do mercado imobiliário”, afirma.

Nova marca

O reposicionamento de mercado da De Martin Construtora envolve um time especial de profissionais internos e também de parceiros.

O projeto da nova identidade visual foi assinado pela oficina de design e de arte, Locomotipo.

“Desenvolvemos o conceito ‘portas abertas’, que norteou todo o processo criativo. Tivemos como fundamento a antiga marca da De Martin, pois era importante não desvincular da história e da credibilidade construídas pela empresa. Mantivemos o azul, mas modernizamos traços, usamos diferentes tons e trouxemos novos elementos”, explica Giulliano Kenzo Costa Pereira, responsável pelo Atendimento e Gestão de Projetos da Locomotipo.

A porta foi o principal elemento da nova marca. “Usamos a porta aberta na letra ‘D’ para simbolizar o acolhimento ao novo; à transformação; e aos clientes, colaboradores e parceiros. Ela também significa a conquista da casa própria e a importância de cuidar da família, que são muito fortes na representação da construtora”, complementou.

A Trevo, empresa capixaba especializada em produzir  T-shirt com significados, criou o conceito “Transformação abre portas”, que estampou a camisa do convite de lançamento da nova marca.

O evento reuniu colaboradores, parceiros e convidados no Café Terra Nova, em Vitória, no dia 10 de novembro.  “Decidimos ir além da entrega de chaves, da entrega de apartamentos e trabalhamos a ideia de ‘abrir as portas’ para este momento que a empresa vive de transformação e expansão dos negócios. Por isso, o conceito ‘Transformação abre portas’ realmente ‘veste’ o significado da De Martin”, explica Camila Frizera de Melo, sócia proprietária da Trevo.

Campanha

A nova marca da De Martin Construtora é apenas uma parte de todo um processo de reposicionando de mercado.

A partir dela, a Locomotipo criou diversas peças, que já estão sendo usadas em campanha institucional nas redes sociais.

Foram produzidos vídeos e posts, com a participação de clientes e colaboradores.

O site da construtora já recebeu a nova identidade que, em breve, também estará em tapumes de obras, centrais de vendas e em outros locais onde aparece a marca da De Martin.

De Martin Construtora lança nova marca e inicia reposicionamento de mercado

O próximo lançamento da construtora – o Villa Verde Condomínio Clube também já terá a “nova cara” da empresa.

Novos negócios

Muitas novidades estão vindo por aí. Além do lançamento do novo empreendimento e da nova identidade visual, a De Martin Construtora acaba de lançar um novo negócio.

Trata-se da Modrí – uma estruturadora e gestora de negócios imobiliários com expertise no mercado capixaba.

A Modrí vai estruturar soluções de moradia, trabalho e lazer focadas no bem-estar e na valorização do patrimônio.

A nova empresa é uma sociedade entre os experientes Ricardo De Martin (fundador e diretor geral da De Martin Construtora) e Manoel Lopes (consultor em Gestão e Governança, com forte atuação junto a construtoras e incorporadoras).

Construção civil pode alavancar a economia, mesmo em tempo de crise

Quase 8 milhões de famílias brasileiras não têm acesso a moradia digna (IBGE); 15% da população do país não têm acesso à rede de água e 44% não é atendida por coleta de esgoto (indicadores do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento).

Esses dados alarmantes mostram que, infelizmente, ainda temos um longo caminho para percorrer – enquanto sociedade, poder público, iniciativa privada e organizações sociais, para termos um país com mais qualidade de vida e menos desigualdade social.

A mudança desse cenário não depende exclusivamente de um ator, seja ele da esfera pública ou da esfera privada, mas de cada um de nós.

Dentro desse contexto, gostaria de chamar a atenção para o setor de construção civil. Em 2019, o segmento registrou um saldo positivo de mais de 71 mil vagas com carteira assinada (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – Caged).

Quando avaliamos o PIB do mesmo ano, os resultados também são positivos: a construção civil alcançou alta de 1,6% e foi responsável por 44% dos investimentos no país.

Esses números, que já foram melhores fora da crise, dão apenas um sinal da importância desse setor não só para o cenário de hoje, mas para o futuro da economia brasileira.

O déficit habitacional, que alcança milhares de brasileiros sem moradia digna, só corrobora para o potencial de crescimento da construção civil, que ainda envolve outra questão: comprar um imóvel sempre foi um bom negócio, mesmo durante as crises econômicas.

O setor continua funcionando como um porto seguro, não só de quem investe no mercado imobiliário, mas para milhares de famílias que sonham em ter um lar para chamar de seu.

Quando falamos nesse sonho da casa própria, que move tantos brasileiros, pensamos logo em segurança, dignidade e acima de tudo “no melhor investimento” que uma pessoa pode fazer.

Comprar um imóvel é um momento especial e esperado por quem batalha e luta diariamente para deixar o aluguel para trás. É uma meta de muitos brasileiros que sonham conquistar a casa própria: uma moradia digna em que possam viver com qualidade e segurança com a sua família e deixar como herança para seus filhos.

Além disso, ter um imóvel é uma alternativa de investimento, tendo em vista que há a preservação do patrimônio (capital investido) e, em caso de venda, o valor é remunerado no mínimo pela inflação.

Mas não é apenas a construção civil que tem alto potencial de ajudar o Brasil a se desenvolver: é preciso ampliar linhas de fomento para a infraestrutura, para melhorar o saneamento básico e a oferta de transportes inteligentes e limpos (ferroviário, por exemplo).

A educação, mãe do desenvolvimento social, também merece todo o cuidado do país. Afinal, um povo com acesso à educação de qualidade pode avançar em todos os setores e reduzir a desigualdade social.

Vale ressaltar, ainda, a saúde como área de fundamental importância para a nação e o SUS está aí dando provas de sua importância para o atendimento aos brasileiros, estejam eles onde estiverem.

A pandemia vai passar, a crise também. Precisamos, juntos, traçar as estratégias que vão contribuir para a retomada dos investimentos e dos empregos, com mais qualidade e oferta de serviços de saúde e educação para todos os brasileiros.

Ricardo De Martin, diretor-geral da De Martin Construtora